Imagem capa - Como eu comecei e porquê eu sou Fotógrafo! por Rogério Santos
Não é só sobre fotografia!

Como eu comecei e porquê eu sou Fotógrafo!


Alguém conhece essa câmera???

Muitos vão pensar: o que eu tenho a ver com essa história...

Mas fiquem e vão saber que isso não é somente sobre uma camera e um fotógrafo iniciante!

O ano era 1995 eu acho, eu tinha por volta de 22 anos e ainda não tinha encontrado uma profissão, hoje em dia pessoal é mais ligeiro, com 16 já sabe até o tema do doutorado kkk.

Mas enfim, cada um tem seu tempo e é preciso respeitar isso!!!

Eu andava por aí com uma câmera Yashica caseira (outra hora conto de onde saiu essa ideia de ser fotógrafo), não tinha grana pra comprar filmes então quando conseguia comprar um rolo (36 poses né, profissional que se prezava não fotografava com filme menor rsrs) aproveitava ao máximo tirando foto do pessoal da família, aqueles almoços de domingo eram meus dias preferidos!

O tempo foi passando e como a família era humilde eu não conseguia investir no meu equipamento, tempos difíceis. Meu trabalho na época era num curtume, que eu voltei anos depois, já profissional, e fiz um documentário todo em PB. Lindão por sinal. Vou deixar um link pro pessoal conhecer.

Um belo dia meu irmão gêmeo, que não se parece comigo, apareceu com uma câmera que um amigo dele tava vendendo. Isso já devia ser 1997 e sabendo dessa minha paixão por fotografia e daquele sonho em ser um fotógrafo da National Geographic (sim, quem nunca!?!) levou a câmera pra eu conhecer. Eu nunca tinha visto ao vivo uma câmera "profissional" na vida. 

Pergunta se eu fiquei emocionado... Claro né, quase chorei kkk

Era uma Zenit 122, câmera russa muito popular no Brasil nos anos 90. Fiquei alguns momentos com aquela joia nas mãos, analisando cada detalhe, imaginando para quê servia cada botão e cada alavanca. Só quem já teve câmera analógica sabe do que eu tô falando. Era totalmente manual, desde o carregamento do filme, avanço a cada foto e rebobinagem no final.

Só que diante de todo esse encantamento veio a realidade, nesse período eu já não estava mais no meu emprego devido à crise. Então foi preciso recusar a câmera pois não havia como comprá-la!

Minha mãe escutava tudo aquilo ali da pia da cozinha, enquanto preparava o almoço. Vendo minha enorme decepção e frustração lançou mão de uma máquina de lavar louças, que meu padrasto havia ganho em um trabalho de mudança que havia feito. Logo retruquei, "mas mãe, a senhora vai precisar dela" e ela me convencendo de forma extremamente gentil e zelosa respondeu: " nunca tive máquina de lavar louça, lavo melhor na mão!"

Assim, consultamos o dono da câmera se ele aceitaria a máquina de lavar louças pela câmera fotográfica e argumentamos que seria mais fácil vender e, possivelmente, ganharia ainda mais dinheiro. Graças à este gesto da minha mãe eu comecei ali minha aventura no mundo da fotografia. Obrigado mãe, onde estiveres!!!

Levanto da cama à cada dia e agradeço muito por meu trabalho e po ter origem nessa generosidade, doação e superação.
Mesmo sem ter a devida  condição, em tempos que não existia internet e a situação financeira não era nem um pouco das melhores, corremos atrás e conseguimos, se não o sucesso, a realização de um sonho.

Não me tornei um fotógrafo da National Geographic, mas sou o documentarista de muitas histórias fascinantes de muitas famílias!

Gostaria que eu registrasse também a tua história? Então clica aqui e vamos conversar!!!

Valeu por ter ficado e escutado essa minha história, mas agora me conta o que tu faz, como foi teu inicio na tua profissão e o que te faz levantar da cama todos os dias?

Grande abraço!